Notícias

ECAD – CARTA ABERTA SOBRE PAGAMENTO DE LICENCIAMENTO DE OBRAS MUSICAIS.

28 de abril de 2018
13:59

CARTA ABERTA AO ECAD – Escritório Central de Arrecadação de Direitos Autorais

Os filiados à ABRAPE (Associação Brasileira dos Promotores de Eventos), por meio de sua regional Minas Gerais, vem tornar pública a sua insatisfação com os critérios de cobrança dos direitos autorais por parte do ECAD.

Infelizmente,  os promotores de eventos de Minas Gerais  têm sido vítimas de critérios subjetivos e abusivos nas cobranças do ECAD. Embora a ABRAPE-MINAS conte nos seus quadros com 90% dos responsáveis pelos eventos mais importantes do estado,   no quesito execução de música ao vivo, continua  sendo solenemente ignorada pelo ECAD, mesmo após inúmeras tentativas de diálogo com o orgão.

Há uma enormidade de incoerências na apuração  ou “determinação” dos valores a serem cobrados. Para exemplificar, shows com as mesmas atrações, realizados em lugares equivalentes e com preços de ingresso similares, não podem ter a tarifa  dos direitos autorais muito diferentes.  Além do mais, o cálculo de 10%(dez por cento) do faturamento bruto ou pela área física onde realizados os eventos, como base na tarifação do licenciamento das obras musicais, não pode prevalecer.

O relacionamento do ECAD com todos os usuários do direito autoral, não só com os promotores/produtores de eventos,  mas também com  os empreendedores dos setores hoteleiro, mídia, bares, restaurantes, cinemas e outros, tem histórico de ameaças, chantagens e abusos por parte do ECAD. A busca da via judicial sempre foi a escolha preferencial do ECAD para solucionar seus conflitos com os usuários do licenciamento musical.

Lamentável,  também, é a tentativa permanente do ECAD de desqualificar todos que não concordam com as suas práticas.

Diante desse quadro e pelos motivos acima expostos, os associados da ABRAPE – Regional Minas Gerais informam que a partir do dia 1º de maio de 2018 somente pagarão o licenciamento das obras musicais utilizadas nos seus eventos por meio de depósito judicial. Diálogo exige disposição de ambas as partes e se  não há disposição do ECAD, vamos adotar a mesma estratégia dele, judicializar.                                                                                Já havíamos informado ao ECAD que essa era uma atitude que estava próxima de acontecer. Insistimos que o diálogo era necessário, que precisávamos avançar e não poderíamos perder a oportunidade de um contato que, sem intermediários, pudesse ser enriquecedor e contribuir para a eliminação de dúvidas e a implementação de relações harmoniosas, justas e equilibradas. Infelizmente,  não encontramos eco às nossas súplicas.

A orientação da diretoria da ABRAPE – não só a seus associados, mas extensiva a toda a sociedade – sempre foi e continuará sendo no sentido de que os direitos autorais sejam reconhecidos como propriedade dos compositores e que, por isso, devem ser pagos, cabendo  ao ECAD demonstrar transparência no recebimento e distribuição desses direitos.Contudo, se ambos os polos da relação são de direito privado, os critérios devem ser objetivos, claros e  pactuados através do consenso  e da transparência. Vamos lutar até que isso aconteça.

O ECAD consegue fazer uma equação quase impossível: desagrada a todos que pagam e a maioria dos que recebem!

Que o exemplo das gravadoras, que,  por inércia, ignorou a pirataria e quase foi dizimada por ela, seja motivo de  alerta para todos nós. É necessário que as associações que compõem o ECAD façam uma reflexão: o território dos que não querem e acham que não devem pagar é muito mais fértil do que o dos que querem pagar e discordam do valor, que é o nosso caso.

A iniciativa da ABRAPE – Regional Minas Gerais,  de somente pagar o licenciamento autoral mediante depósito em juízo,  poderá ser copiada Brasil afora, inclusive por outras entidades.

Neste momento, cabe ao ECAD uma imediata modificação de postura até  então praticada. O mundo atual gira muito rápido, e o que ontem era novo, hoje é velho e antigo.

 Atenciosamente,

 Carlos Alberto Xaulim

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram

MAIS NOTÍCIAS

TV ABRAPE

Senado, setor de eventos e Turismo discutem veto do Perse no tema desoneração fiscal
Audiência pública sobre veto do PERSE- Desoneração fiscal 02/07/21
WEBINAR PERSE – Refinanciamento de débitos fiscais com a união (tributários e não tributários
Entenda os Pontos do #PERSE​ (PL5638) – Refinanciamento, Dívidas Fiscais, não Fiscais e FGTS
Entenda os Pontos do #PERSE​ (PL5638) – Indenização Sobre Folha de Pagamento
Entenda os Pontos do #PERSE​ (PL5638) – Crédito para Sobrevivência das Empresas