Notícias

ABRAPE se posiciona sobre decisão do ECAD de reduzir temporariamente a cobrança de direitos autorais

3 de agosto de 2020
18:32

O ECAD – Escritório Central de Arrecadação de Direitos  está reduzindo provisoriamente, até dezembro de 2021, as alíquotas de pagamento dos direitos autorais em 50% , ou seja a base passa de 10 a 5% da receita de bilheteria para o caso de música ao vivo. “Ainda não temos os detalhes além da publicação, mas entendemos ser esta uma resposta a nossa demanda e negociação que vem há mais de 3 anos com o escritório. O que seria apenas para os filiados ABRAPE (Associação Brasileira dos Promotores de Eventos) acabou se tornando uma medida para o mercado em geral o que valoriza ainda mais nossa conquista”, afirma o empresário e presidente da ABRAPE, Doreni Caramori Júnior. 

Pesquisa recente feita em dezenas de países  mostrou que a alíquota praticada no Brasil de 10% é uma das maiores do mundo. “Reconhecemos a sensibilidade por parte da ECAD em concluir que os valores estavam exagerados. Entendemos ser este um passo positivo mas ainda aquém das principais reivindicações feitas. o que significa que continuaremos trabalhando com afinco em busca de um modelo permanente. e não provisório, de um sistema paritário de fixação das diretrizes, enfim, de uma relação mais aberta e transparente entre os compositores representados pelo ECAD e Sociedades e os produtores de eventos representados pela ABRAPE”. ressalta Doreni

Assessoria de Imprensa – ABRAPE 

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram

MAIS NOTÍCIAS

TV ABRAPE

Presidente da ABRAPE vê possíveis eventos restritos a vacinados
Já se perderam 450 mil empregos no setor de eventos, diz presidente da ABRAPE
“Além dos prejuízos, temos que lidar com a incerteza de quanto os eventos retornará” – CB.Poder
“Uma forma de atender os trabalhadores informais é manter as empresas vivas” – CB. Poder
“Não estamos pedindo a retomada, mas sim condições para manter as empresas vivas”
VACINA PARA TODAS – Uma campanha do Movimento Supera Turismo