Notícias

Setor de eventos cobra “coerência” na flexibilização da quarentena

2 de agosto de 2020
15:53

Por Redação O Antagonista

Nesta semana, o Congresso aprovou a Medida Provisória 948, com medidas emergenciais para os setores de turismo e cultura em meio à pandemia da Covid-19.

O presidente da Associação Brasileira dos Promotores de Eventos (Abrape), Doreni Caramori Júnior, disse a O Antagonista que a MP será importante para “garantir a estabilidade da cadeia de consumo dos setores”, por exemplo, ao livrar as empresas da obrigação de devolver aos clientes os valores referentes a ingressos, diárias e passagens aéreas adquiridos antes da pandemia.

A Abrape estima que a crise em curso já provocou a perda de cerca de 300 mil empregos diretos e indiretos. Para a fase pós-pandemia, existem ainda uma série de incertezas, sobretudo para o setor de eventos.

“A primeira incerteza é de quando poderemos voltar. A segunda é sobre em que condições poderemos operar. E, além disso, há a incerteza em relação ao nível de segurança do nosso consumidor: se ele se sentirá seguro, apesar do desejo acumulado de participar de eventos. E mais: se ele terá poder aquisitivo para isso.”

Sobre a flexibilização da quarentena, Caramori afirmou que é preciso ter coerência e cobrou “planejamento claro, com variáveis objetivas”.

“Se o culto ou a missa pode acontecer com determinadas restrições, por que não teatros e cinemas? O que vai determinar a volta? A curva de contágio, a capacidade de leitos? É preciso começar a diminuir incertezas. Somos a favor da segurança dos nossos colaboradores e dos nossos clientes, mas precisamos, em uma eventual convivência com o vírus, de regras claras e coerentes.”

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram

MAIS NOTÍCIAS

TV ABRAPE

Presidente da ABRAPE vê possíveis eventos restritos a vacinados
Já se perderam 450 mil empregos no setor de eventos, diz presidente da ABRAPE
“Além dos prejuízos, temos que lidar com a incerteza de quanto os eventos retornará” – CB.Poder
“Uma forma de atender os trabalhadores informais é manter as empresas vivas” – CB. Poder
“Não estamos pedindo a retomada, mas sim condições para manter as empresas vivas”
VACINA PARA TODAS – Uma campanha do Movimento Supera Turismo